Associado JCI
Joint Commission

Notícias

13/04/2017
Oncocentro-BH, a caminho da acreditação JCI

Com sede em Belo Horizonte, a Oncocentro - empresa voltada para a prestação de serviços nas áreas de Oncologia Clínica, Onco-Hematologia e Oncopediatria -, pode ser o primeiro serviço especializado de Minas Gerais a receber o selo de acreditação da Joint Commission International (JCI). Para isso, conta com a orientação e os serviços de educação para a melhoria da qualidade e segurança assistencial, oferecido pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA), parceiro brasileiro da JCI.

Para saber mais sobre esse processo, entrevistamos o Diretor Técnico da Oncocentro - Belo Horizonte, Luis Eugênio de Andrade Filho. Acompanhe!

A Oncocentro já tem duas certificações de qualidade. O que motivou a direção a buscar a acreditação JCI ?
É uma exigência do Grupo Oncoclínicas que suas unidades obtenham ou revalidem seus selos de qualidade na área de saúde, pois acreditamos que os processos organizados e pessoas capacitadas oferecem o melhor e mais seguro atendimento ao seu paciente.
Buscamos a melhoria contínua em nossos processos assistenciais aliando segurança ao melhor cuidado ao nosso cliente. As atuais certificações preconizam nível de excelência em gestão e a JCI tem um foco mais assistencial.

Qual o resultado da avaliação diagnóstica?
Nosso time está focado na eficiência e na qualidade dos processos. A avaliação teve resultado dentro das nossas expectativas. Alcançamos 77% da pontuação.

Como está a preparação para a acreditação?
A preparação para a acreditação está envolvendo 100% dos colaboradores. Todos estão participando, da direção ao nível operacional. Para tal, foi desenvolvido um projeto que monitora prazos, as ações e os responsáveis com participação efetiva do Grupo Facilitador.

Como foi feita a mobilização das equipes assistencial e administrativa?
Inicialmente sensibilizamos as lideranças sobre o objetivo e importância da Acreditação Internacional. Definimos os membros do Grupo Facilitador e desdobramos para todos os colaboradores e médicos.
Nosso time de frente conta com participação ativa de 7 médicos, 3 enfermeiros, 2 farmacêuticos, 1 nutricionista, 1 psicóloga. Eles atuam diretamente nos padrões da Seção II do manual de acreditação da JCI. A equipe administrativa conta os Gerência de Operação e sua liderança com participação ativa dos responsáveis pelos padrões da Seção III do Manual. Nosso time de TI está dedicado tempo integral a este projeto. Utilizamos instrumentos de comunicação direta, como o Momento JCI em sessão com o corpo clínico, ferramentas contemporâneas como o whatsapp e varais expostos na clínica.

Foi preciso criar ou rever processos na assistência, para atender os padrões da JCI?
Os critérios de concessão da acreditação passam por respeito aos direitos dos pacientes e familiares, alcance de indicadores internacionais de segurança, gerenciamento de fármacos, acesso ao tratamento e continuidade, capacitação dos recursos humanos, além é, claro, do gerenciamento das informações hospitalares (prontuário). O fato de termos outras acreditações, nos facilitou muito. Para atender aos padrões preconizados pela JCI alguns processos estão sendo aprimorados.
O gerenciamento da dor é um exemplo. Embora seja processo comum em serviços de saúde, precisávamos amadurecer o nosso. A revisão deste processo se deu através de implementação de um protocolo documentado, adequação do sistema de tecnologia da informação que utilizamos e a capacitação das equipes assistenciais. Estas mudanças proporcionaram uniformização do processo, tornando-o mais seguro para o paciente.

Houve alguma mudança estrutural, assistencial ou administrativa motivada pelos padrões de acreditação?
Sim. A maior mudança para atender as normas de segurança foi a mudança na estrutura física. Nós mudamos de sede e a construção da nova sede foi alicerçada nas normas regulatórias vigentes em nosso país e nos processos de segurança e assistenciais da JCI.

Qual a importância do trabalho educativo do CBA na preparação para a conquista da acreditação JCI?
O trabalho educativo do CBA tem sido primordial em nossa preparação. O CBA utiliza no seu processo, a tradução fiel dos manuais internacionais, que são elaborados a partir de um Comitê Internacional de Padrões. Esse Comitê tem representantes de países dos cinco continentes, visando à manutenção da aplicabilidade e atualidade do conteúdo e conjunto de padrões definidos em cada manual.
O conhecimento e orientações que recebemos durante as visitas dos educadores trazem segurança nas mudanças que estamos realizando, além de otimizar tempo evitando “retrabalhos”. A metodologia utilizada nos direciona a definir ações, implementar e checar sua eficácia após a implantação.

A Oncocentro oferece uma série de tratamentos e especialidades. Como assegurar a qualidade e a segurança nos serviços, com múltipla equipe?
Desde 2011, com a implantação do sistema de gestão da qualidade na Oncocentro, a qualidade e segurança nos serviços são garantidas com a definição clara de um planejamento estratégico focado no nosso negócio e principalmente em nossa missão, que é vencer o câncer.
Os padrões de acreditação suportam o atendimento às melhores práticas e estão sendo disseminados nas áreas, por meio da documentação, capacitação e acompanhamento da eficácia de sua implantação.

Há algum trabalho de divulgação e conscientização junto ao paciente, relativo a qualidade e segurança?
Todos os nossos pacientes passam por um processo de educação que preconiza sua conscientização no que se refere ao tratamento que irá receber, riscos, seus direitos, suas responsabilidades. A divulgação ocorre nos diversos canais de comunicação que dispomos, além de todas as informações estarem disponibilizadas em cartilhas específicas.
Todos os pacientes que irão submeter-se a quimioterapia passam por consulta de enfermagem quando todas as orientações e conteúdo das cartilhas são repassados aos pacientes, considerando as barreiras que possam interferir na sua conscientização. Após a segunda seção de tratamento o paciente é convidado a responder uma pesquisa sobre a assistência prestada. Também temos um serviço de farmácia clínica com ênfase no tratamento antineoplásico oral. Temos um setor dedicado que orienta o paciente em relação ao tratamento e realiza um seguimento rigoroso dos eventos adversos.

<< Voltar

Desenvolvimento Digital Net